Informação sobre fimose, causas, sintomas e tratamento da fimose, identificando seu diagnóstico assim como de outras patologias do pênis, como parafimose, hipospádia, epispãdia, balanites, carcinoma, priapismo, doença de Peyrone e outras.


quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Tratamento de Hipospádia

A hipospádia é uma condição que caracteriza um pénis que não funciona de modo adequado apresentando um aspeto anormal. Esta condição pode ser revertida através de diversas técnica que hoje em dia estão disponiveis para resolver este problema
O tratamento começa logo após o nascimento, evitando a circuncisão, pois o prepúcio (pele que recobre o pênis) é essencial para a reconstrução do pênis. Na maioria dos casos o tratamento cirúrgico é realizado numa única cirurgia, com hospitalização mínima após minuciosa explicação para a família (e para o paciente, se ele tiver mais de 2 anos). A idade ideal para a cirurgia é entre os 6 e 18 meses de vida, diminuindo o risco de trauma emocional. Em alguns casos selecionados há necessidade de tratamento hormonal préoperatório e, geralmente, utiliza-se uma sonda vesical nos primeiros 7 a 10 dias como “molde” para a uretral. Esta correção cirúrgica é tecnicamente difícil, existindo centenas de técnicas cirúrgicas descritas para correção das diversas variantes de hipospádia, e a escolha da técnica mais adequada dependerá do tipo de hipospádia que o seu filho apresenta, e da experiência do cirurgião. Os princípios do tratamento cirúrgico visam permitir que o paciente urine de pé, melhorar a estética peniana (evitando as conseqüências psicológicas de órgãos genitais malformados) e principalmente, permitir que, no futuro, tenha função sexual (reprodutora) normal. Nos meninos que tiveram infecção urinária no 1º ano de vida, ou que tem a forma proximal de hipospádia, serão pesquisadas as malformações urinárias associadas (ultrassonografia renal inicialmente, podendo ser associado a uretrocistografia miccionnal).

Exames laboratoriais

Em todos os pacientes serão realizados exames laboratoriais de rotina no pré-operatório para confirmar que o seu filho está em boas condições clínicas para a cirurgia. Uma avaliação pré-anestésica servirá para orientar os pais quanto ao tipo de anestesia e confirmar que a criança tem condições clínicas satisfatórias. O resultado estético definitivo lembra o de uma circuncisão, e só ocorre após 12 meses da cirurgia, mas sofre alterações, melhorando seu aspecto durante a puberdade. Os meninos frequentemente preferem dizer que foram "operados de fimose". No entanto, 20 à 40% necessitam re-operações (vazamentos ou fístulas, estreitamentos ou estenoses, necrose na nova uretra), podem ocorrer infecções urinárias e alterações psicológicas (insegurança, baixa-estima). As cirurgias complementares, para correção destas complicações, deverão ser feitas com intervalo entre elas de no mínimo 6 meses. O resultado estético definitivo lembra o de uma circuncisão, e só ocorre após 12 meses da cirurgia, mas sofre alterações, melhorando seu aspecto durante a puberdade. Os meninos frequentemente preferem dizer que foram circuncidados, "operados de fimose".


ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL